Mensagem do Conselho de Administração

Senhores Acionistas,

A Pandemia COVID 19 foi, sem sombra de dúvida, o elemento mais desestabilizador da economia, dos projetos das empresas e das ambições e perspetivas das famílias portuguesas ao longo de 2020. Ao introduzir um fator elevado de incerteza nas perspetivas económicas internas e externas, fruto das várias medidas governamentais que obrigaram a confinamentos consecutivos, encerramento de fronteiras, de empresas e de sectores de atividade, a pandemia impactou de forma significativa o investimento das empresas e obrigou-as a repensar o seu modelo de negócio, as suas estratégias e, consequentemente, o seu modelo organizacional.

Apesar de também ter sofrido a violência do impacto provocada pelas medidas restritivas do Governo no combate à crise de saúde pública, a Reditus foi capaz de, num curto espaço de tempo, adaptar todo o seu modelo organizacional de forma a proteger a saúde dos colaboradores e salvaguardar os seus interesses económicos e financeiros. Medidas essas que nos permitiram reorganizar e simplificar as nossas equipas de operações, integrar novo Capital Humano, com foco na inovação, automação e eficiência operacional. Desta forma conseguimos subir na cadeia de valor dos nossos Clientes e manter a atividade operacional em 2020 em Portugal e no estrangeiro, conseguindo mesmo aumentar o seu volume de negócios em Portugal.

O sucesso da estratégia implementada, nomeadamente no que diz respeito à reorganização interna e procura por novas oportunidades de negócio, dentro e fora do país, permitiu-nos colocar o foco nas atividades core e encontrar novos projetos e oportunidades de negócio com maior valor acrescentado. Daqui resultando um aumento do volume de negócios realizados em território nacional e a implementação de uma política de racionalização da despesa, nomeadamente com os encargos com o pessoal, fornecimento e serviços externos e redução dos encargos financeiros.

Os Proveitos Operacionais apresentam uma redução de 3,6% ascendendo a 23,5 milhões de euros vs os 24,4 milhões de euros do período homólogo. Para este resultado contribui o crescimento de 13,8% dos negócios realizados em território português a despeito de uma diminuição dos projetos internacionais, em função do impacto económico da pandemia nas diversas geografias em que a Reditus tem presença, agravado pela restrição de circulação de pessoas e pela decisão dos clientes e outras entidades em adiar investimentos estratégicos.

O EBITDA atingiu 6,0 milhões de euros, correspondente a uma margem EBITDA de 25,8%. Estes valores comparam com os 4,0 milhões no período homólogo e uma margem EBITDA de 16,3%. Importa no entanto referir que este valor é reflexo de um evento extraordinário que beneficiou este indicador em 2,9 milhões de euros. Desta forma o EBITDA derivado das atividades correntes do ano 2020 situou-se nos 3,1 milhões de euros correspondendo a uma margem EBITDA de 15,3%.

Não obstante, o resultado líquido registado no exercício situou-se em 1,06 milhões de euros negativos face aos 49 mil euros positivos registados um ano antes. Um resultado que deriva de um ajustamento extraordinário de anos anteriores, nomeadamente de imparidades constituídas de 3,3 milhões de euros e da carga tributária. Sem este efeito, os resultados líquidos situar-se-iam acima de 2,2 milhões de euros positivos.

O segmento de IT Outsourcing teve uma redução dos seus proveitos em função das dificuldades criadas pela pandemia e da consequente redução da procura de serviços e soluções oferecidos por este segmento de atividade. Em contrapartida, e reflexo das já referidas medidas de ajustamento operacional, obteve-se uma melhoria do EBTIDA e da margem EBITDA.

Os proveitos do segmento de IT Consulting tiveram uma contração mais acentuada, fruto igualmente de uma redução da procura. A Reditus conseguiu, no entanto, melhorar os índices de rentabilidade das operações com o EBITDA a situar-se em 1,4 milhões de euros e a margem EBITDA nos 39,8%, um incremento de 33,5% e 33,4 p.p. respetivamente relativamente ao ano homólogo.

Em contrapartida o segmento de BPO viu os seus proveitos crescerem 20,0%, para os 12,6 milhões de euros. Também neste segmento a Reditus melhorou o EBITDA e a margem EBITDA ao atingir os 2,3 milhões e 18,6%, respetivamente. Estes resultados representam uma melhoria muito significativa das operações ao atingir índices de crescimento de 331,5% e 13,4 p.p., respetivamente.

Os proveitos da área internacional da Reditus apresentam uma expectável redução relativamente ao ano anterior, o que se reflete no seu peso nos proveitos operacionais globais do grupo. Com um volume de negócios a superar os 5,5 milhões de euros, os negócios que a Reditus realizou além-fronteiras representaram 24% do total de proveitos. A evolução positiva da pandemia e das condições de circulação internacional já permitiram a reversão das decisões de adiamento dos vários investimentos estratégicos dos nossos clientes, pelo que a Reditus já se encontra a trabalhar em vários destes projetos. Estes, factos levam-nos a manter a nossa aposta noutras geografias, nomeadamente no desenvolvimento de projetos de longa duração na área de ITC e ITO.

Para 2021, apesar da continuação de alguma incerteza resultante do problema de saúde pública mundial, há a registar que começaram a surgir novos desafios e oportunidades para as quais o Grupo está preparado, face às novas exigências dos seus clientes, pelo que tem a expectativa de um crescimento positivo com a contratação e o “kick-off” de alguns projetos estratégicos e de grande dimensão, que já se encontravam adjudicados ou nas fases finais de contratação, tanto no mercado nacional como no internacional. Estas novas oportunidades têm-se vindo a materializar no final do exercício de 2020 e no primeiro trimestre do corrente ano, sendo que a Reditus, para além da sua concretização, continuará ainda ativamente à procura de oportunidades em projetos de Nearshore.

A denominada “bazuca europeia” potenciará também a realização de vários projetos estruturantes na Administração Pública de que a Reditus quer fazer parte. Em simultâneo, a continuação do caminho de digitalização da economia, dentro e fora da esfera do Estado, e a evolução do Brexit trarão novas oportunidades de negócio em todos os segmentos de atividade.

Num ano muito difícil para a economia de uma forma geral, bem como para as famílias e empresas em particular, a Reditus congratula-se com os resultados obtidos, fruto de uma capacidade de reação às adversidades e procura por novas oportunidades. Estamos em crer que o futuro irá continuar a apresentar boas oportunidades em todos os segmentos de atividade, o que nos permitirá continuar a criar mais postos de trabalho e a manter o nosso compromisso com a melhoria dos rácios de gestão, sem deixar cair os nossos princípios de responsabilidade cívica, desenvolvendo ações e apoiando Organizações da área social.

Esta administração acredita que o período pós-pandemia trará um natural aumento da atividade económica suportada por novos modelos de negócio e de operação dos nossos clientes, no espaço nacional e internacional. Atenta às consequências desta nova realidade, a Reditus continuará focada em abrir novos mercados e a abraçar novas oportunidades de negócio em todos os seus segmentos de atividade.

Estamos certos que estes resultados são igualmente fruto da confiança depositada pelos acionistas na equipa de gestão e do empenho e dedicação dos nossos colaboradores, que tiveram a capacidade e a disponibilidade para se ajustarem com eficiência a uma nova realidade, permitindo-nos continuar a oferecer ao mercado serviços e soluções de excelência, apesar dos impactos claros nas suas vidas pessoais e familiares. A todos queremos expressar os nossos agradecimentos.

 

O Conselho de Administração